domingo, outubro 24, 2021
19.1 C
São Vicente
19.1 C
Santos
18.8 C
Peruíbe
19.2 C
Praia Grande
19.4 C
Itanhaém
19.1 C
Guarujá
19.2 C
Mongaguá
18.7 C
Bertioga

Corrida do Governo para evitar paralisia em Ministério da Saúde

Leia mais

Por ano no país; morte violenta atinge 6,97 mil crianças e adolescentes

O Brasil teve uma média de 6,97 mil mortes violentas intencionais de crianças e adolescentes por ano nos últimos cinco anos. De...

IBGE aponta que 77,4% das novas empresas do Brasil não têm funcionários

Nesta sexta-feira (22), o IBGE divulgou, que maioria das empresas abertas no Brasil tem apenas sócio ou proprietário e não dispõe de...

Reajustes salariais em setembro ficam abaixo do INPC

O reajuste médio dos salários obtidos nas negociações em setembro ficou 1,9 ponto percentual abaixo do Índice Nacional de Preços ao Consumidor...

São Vicente não terá queima de fogos no Réveillon

Nesta sexta-feira (22), a prefeitura de São Vicente, na Baixada Santista anunciou, que tradicional queima de fogos no Réveillon não será realizada...

 O Ministério da Saúde se viu sem dinheiro para pagar, já neste mês, despesas com hemoderivados, assistência médica a indígenas, médicos na saúde primária, bolsas de residentes e abastecimento da Farmácia Popular, entre outras áreas básicas. A situação levou o Ministério da Economia a correr com a liberação de recursos para evitar uma paralisia.

Hemoderivados são produtos usados em procedimentos como transfusão de sangue em caso de hemorragia, em tratamento da hepatite B ou por hemofílicos. A falta de recursos ocorreu no contexto da não aprovação, até agora, do Orçamento da União de 2021.

No dia 18, o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, enviou um ofício ao ministro da Economia, Paulo Guedes, pedindo a liberação urgente de R$ 240,1 milhões, a partir de uma antecipação de valores de março para fevereiro.

Esses recursos estão dentro de uma previsão de gastos feita em decreto para o período sem aprovação da lei orçamentária pelo Congresso.
Na quarta-feira (24), o Ministério da Economia afirmou à reportagem que o pedido de Pazuello não havia sido encaminhado à Secretaria de Orçamento Federal e que não existiam recursos orçamentários a serem antecipados.

Depois, a pasta disse que houve um equívoco e uma retificação da área técnica: “O processo está sob análise da equipe técnica do Ministério da Economia”.

Tanto o Ministério da Economia quanto o da Saúde foram procurados pela reportagem na tarde de terça (23) para que explicassem a escassez de dinheiro para áreas básicas da saúde.

No começo da noite de quarta, a Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia publicou uma portaria, em edição extra do Diário Oficial da União, remanejando R$ 237,2 milhões para os gastos especificados pela Saúde.

O ofício com o relato do problema foi enviado do gabinete de um ministro para outro. Pazuello citou a previsão de gastos feita em decreto assinado no dia 11 pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e por Guedes.

A ideia do decreto foi remediar a ausência de um Orçamento aprovado para 2021. Ele estabeleceu como os ministérios podem fazer gastos até a aprovação.

Uma tabela prevê “gastos com despesas correntes de caráter inadiável”, até o limite de 1/12 do valor previsto no projeto de lei do Orçamento enviado pelo Executivo, mês a mês. A outra tabela especifica os gastos possíveis com despesas primárias e com os chamados restos a pagar, que são os valores que ficam pendentes de um ano a outro.

Neste segundo caso, já ficam excluídas despesas para as quais não há limitações, como procedimentos de saúde de média e alta complexidade, medicamentos para tratamento de pessoas com HIV e insumos básicos em saúde. O pedido feito por Pazuello envolveu os gastos previstos nessa segunda tabela.

Até fevereiro, o decreto estabeleceu R$ 2,12 bilhões para o Ministério da Saúde. Até março, estão autorizados R$ 2,81 bilhões. O limite previsto para fevereiro não era suficiente, segundo o ministro.

“O limite mensal do referido anexo previsto para fevereiro é insuficiente para atender as despesas desta pasta como medicamentos hemoderivados, atenção à saúde indígena, provisão de médicos da atenção primária, bolsas para profissionais da saúde residentes, programa Farmácia Popular, entre outras”, escreveu o general a Guedes.

“Solicito, emergencialmente, a antecipação de R$ 240,114 milhões para o mês de fevereiro, com redução correspondente para o mês de março de 2021”, afirmou.

Em janeiro, Pazuello já havia feito pedido semelhante a Guedes. O ministro havia solicitado uma expansão dos limites de pagamento da pasta em R$ 350 milhões, dinheiro que seria necessário para pagamento de despesas prioritárias inscritas em restos a pagar. Nesse caso, o ministro não especificou quais seriam essas despesas.

Em nota, o Ministério da Saúde afirmou que o pedido do dia 18 foi feito com base na previsão legal que permite ao secretário especial de Fazenda remanejar valores previstos, em meio à ausência de aprovação do Orçamento, desde que devidamente justificados.

“Trata-se de procedimento usual entre Ministérios da Economia e da Saúde, tendo em vista adequação da gestão financeira da pasta. Os pagamentos do Ministério da Saúde estão e continuarão sendo normalmente realizados.”

No combate à Covid-19, Pazuello vem sendo cobrado a acelerar a vacinação da população e a garantir recursos para expansão de leitos e insumos no atendimento a pacientes infectados, diante de um agravamento da pandemia.

Além disso, o ministro é investigado em dez procedimentos formais instaurados pelo MPF (Ministério Público Federal) para apurar sua conduta durante a pandemia. Ele é suspeito de crimes e de improbidade administrativa.

Os principais fatos investigados são a omissão diante da crise de escassez de oxigênio no Amazonas, a distribuição de cloroquina – um medicamento sem eficácia para Covid-19 – e a politização e falhas na aquisição de vacinas.

Dados de execução orçamentária atualizados pela Câmara no dia 19 mostram que a Saúde só gastou 9% do dinheiro liberado em caráter de urgência e emergência para a compra e o desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19.

Os créditos extraordinários abertos por MPs somam R$ 24,5 bilhões. Foram gastos R$ 2,2 bilhões.

Fonte: Santa Portal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Por ano no país; morte violenta atinge 6,97 mil crianças e adolescentes

O Brasil teve uma média de 6,97 mil mortes violentas intencionais de crianças e adolescentes por ano nos últimos cinco anos. De...

IBGE aponta que 77,4% das novas empresas do Brasil não têm funcionários

Nesta sexta-feira (22), o IBGE divulgou, que maioria das empresas abertas no Brasil tem apenas sócio ou proprietário e não dispõe de...

Reajustes salariais em setembro ficam abaixo do INPC

O reajuste médio dos salários obtidos nas negociações em setembro ficou 1,9 ponto percentual abaixo do Índice Nacional de Preços ao Consumidor...

São Vicente não terá queima de fogos no Réveillon

Nesta sexta-feira (22), a prefeitura de São Vicente, na Baixada Santista anunciou, que tradicional queima de fogos no Réveillon não será realizada...

Carga de cigarros contrabandeados estimada em R$ 2 milhões é apreendida

Na manhã desta sexta-feira (22), aproximadamente 400 mil maços de cigarros de origem estrangeira foram encontrados, dentro de um caminhão que trafegava...