quarta-feira, janeiro 26, 2022
35.1 C
São Vicente
27.9 C
Santos
28.8 C
Peruíbe
35.1 C
Praia Grande
35.1 C
Itanhaém
27.9 C
Guarujá
34.9 C
Mongaguá
36.9 C
Bertioga

Pandemia: Especialistas alertam para crises de raiva e ansiedade em crianças

Leia mais

Projeto para atender órfãos do feminicídio

As altas taxas de feminicídio no país trazem consigo um problema social menos óbvio do que a morte de mulheres: o abandono...

Posto de coleta de leite humano para recém-nascidos em Praia Grande

Um posto de coleta de leite humano, foi implantado nesta terça-feira (25) em Praia Grande, na Baixada Santista, para ajudar a salvar...

Garotinho de 2 anos compra mais de R$ 10 mil em móveis com celular da mãe

Com o celular da mãe, um garotinho de dois anos apertou um botão sem querer. O botão confirmava a compra de quase...

Cursos gratuitos de qualificação em Santos

O Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares da Baixada Santista e Vale do Ribeira (SinHoRes) abre inscrições para cursos gratuitos de...

O planeta inteiro já completou um ano de uma nova vida resumida a isolamento e distância da sociedade em geral devido ao avanço cada vez mais agressivo da pandemia de Covid-19. E se muitos adultos não têm encarado a realidade com facilidade, o mesmo pode se dizer das crianças e dos adolescentes. Ao menos é esse o alerta que especialistas em saúde mental fazem.

Em março passado, a psicanalista Renata Bento, que é membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro e também integra a International Psychoanalytical Association, afirmou em artigo no Jornal do Brasil que a pandemia deu um espaço nunca antes cedido a um grande debate sobre a saúde mental uma vez que casos de medo e ansiedade sempre fizeram parte da vida dos brasileiros, mas nunca foram tão intensos quanto neste período de pandemia.

A elevada busca por tratamento psicológico levou, segundo ela, a uma experiência de escuta durante o período de pandemia que deixou em plena evidência o surgimento de transtornos psicológicos tais como o stress agudo, a ansiedade e também a depressão tanto em adultos, quanto em crianças e também em adolescentes.

“Quem mais conhece os filhos são os pais. Qualquer comportamento que saia dentro do habitual do que eles estão acostumados dos filhos é importante prestar atenção. Como a pandemia está se estendendo muito, podem surgir comportamentos que tenham a ver com o desenvolvimento, então uma criança que está começando a pandemia com dois anos agora já vai fazer quase 3 anos e pouco, então já mudou muito o comportamento então a gente precisa ficar atento e não achar também que tudo é por causa do isolamento”, afirma Natércia Tiba, que é psicóloga e psicoterapeuta de casal e família.

“Agora o tipo de personalidade do filho, se ele é mais extrovertido, se ele é mais fechado, se ele é mais irritado ou se é mais tranquilo os pais conhecem então qualquer alteração de humor muito forte ou alguma alteração fisiológica muito forte é motivo de atenção”, conclui.

Segundo estatísticas divulgadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o índice em todo o planeta de crianças, que têm idades que vão de 6 a 12 anos, diagnosticadas com depressão saltou de 4,5% para 8% durante o período vivido na última década, ou seja, anterior à pandemia de Covid-19, que obrigou autoridades sanitárias de todo o globo a recomendar que os governos fechassem seus comércios e as populações mudassem suas rotinas totalmente para impedir números ainda mais elevados de casos e mortes por Covid-19.

Diretora executiva e fundadora do jornal Joca, uma publicação produzida especialmente para o público infanto-juvenil que traz notícias de atualidades para crianças e adolescentes, Stéphanie Habrich destaca que o período da pandemia veio para reforçar uma necessidade que já é rotina na história do periódico.

“As notícias que a gente lê, assiste e ouve no dia a dia são produzidas para os adultos e respondem as perguntas dos adultos. No cotidiano, as crianças acabam pegando pequenas partes desse ‘noticiário de adultos’, o que pode gerar ansiedade e medo nelas. A experiência do Joca ao longo desses 10 anos mostra a importância de responder as perguntas que a criança tem para fazer – que são diferentes das perguntas dos adultos – e explicar as notícias com contextualização”.

“Nesse contato constante que temos com os nossos leitores, entre crianças e os adolescentes, percebemos que muitos estão sofrendo calados com a própria saúde mental na pandemia, pois, muitas vezes, não conseguem dar nome aos sentimentos que estão vivendo agora”, complementa Habrich.

fonte: Diário do Litoral

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Projeto para atender órfãos do feminicídio

As altas taxas de feminicídio no país trazem consigo um problema social menos óbvio do que a morte de mulheres: o abandono...

Posto de coleta de leite humano para recém-nascidos em Praia Grande

Um posto de coleta de leite humano, foi implantado nesta terça-feira (25) em Praia Grande, na Baixada Santista, para ajudar a salvar...

Garotinho de 2 anos compra mais de R$ 10 mil em móveis com celular da mãe

Com o celular da mãe, um garotinho de dois anos apertou um botão sem querer. O botão confirmava a compra de quase...

Cursos gratuitos de qualificação em Santos

O Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares da Baixada Santista e Vale do Ribeira (SinHoRes) abre inscrições para cursos gratuitos de...

Criança se acidenta em parque de São Vicente e leva 12 pontos

Uma criança de sete anos, filho de uma moradora da Área Continental de São Vicente, na Baixada Santista, levou mais de dez...