terça-feira, abril 20, 2021
21.1 C
São Vicente
21.1 C
Santos
19.8 C
Peruíbe
21.1 C
Praia Grande
18.8 C
Itanhaém
21.1 C
Guarujá
18.1 C
Mongaguá
21.1 C
Bertioga

Dois terços das crianças em idade escolar no mundo não têm acesso à internet em casa, diz novo relatório do UNICEF

Leia mais

Usiminas promove campanha de doação de sangue

O programa Voluntários Usiminas (VOU) está realizando uma campanha de doação de sangue em parceria com a Fundação São Francisco Xavier (FSFX),...

Seduc: Importante passo para quitação de débitos de APMs em São Vicente

A Secretaria de Educação de São Vicente (Seduc) deu um importante passo para a recuperação financeira de dezenas de escolas municipais, que...

Homem foi preso após agredir mãe e avô em São Vicente

Um homem foi preso após agredir a sua mãe e o avô com um banco de madeira em São Vicente.

Cientistas conclui 97,6% de eficácia em vacina russa SputniK V

Cientistas russos concluíram que a vacina Sputnik V contra a covid-19 tem eficácia de 97,6% no "mundo real", de acordo com uma...

Dois terços das crianças e dos adolescentes em idade escolar no mundo – ou 1,3 bilhão de meninas e meninos de 3 a 17 anos – não têm conexão à internet em suas casas, de acordo com um novo relatório conjunto do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e da União Internacional de Telecomunicações (ITU).

O relatório How Many Children and Youth Have Internet Access at Home? (Quantas crianças e jovens têm acesso à internet em casa? – disponível somente em inglês) observa uma falta de acesso semelhante entre os jovens de 15 a 24 anos, com 759 milhões ou 63% sem conexão em casa.

“O fato de tantas crianças e tantos jovens não terem internet em casa é mais do que uma vão digital – é um cânion digital”, disse Henrietta Fore, diretora executiva do UNICEF. “A falta de conectividade não limita apenas a capacidade de crianças e jovens de se conectar online. Ela os impede de competir na economia moderna. Ela os isola do mundo. E com o fechamento das escolas, situação que hoje atinge milhões de meninas e meninos devido à Covid-19, essa falta de conectividade faz com que eles percam a educação. Resumindo: a falta de acesso à internet está custando o futuro à próxima geração”.

Quase 250 milhões de estudantes em todo o mundo ainda estão afetados pelo fechamento das escolas devido à Covid-19, o que deixa centenas de milhões de meninas e meninos dependentes do aprendizado virtual. Para aqueles sem acesso à internet, a educação pode estar fora de alcance. Mesmo antes da pandemia, um grupo crescente de jovens precisava adquirir habilidades básicas, transferíveis, digitais, profissionais e empresariais para ser competitivo na economia do século 21.

A exclusão digital está perpetuando desigualdades que já dividem países e comunidades, observa o relatório. Crianças e jovens das famílias mais pobres, de países rurais e de baixa renda estão ficando ainda mais para trás em relação aos seus pares e têm muito poucas oportunidades de alcançá-los.

Globalmente, entre as crianças em idade escolar das famílias mais ricas, 58% têm conexão à internet em casa, em comparação com apenas 16% das famílias mais pobres. A mesma disparidade também existe entre os níveis de renda do país. Menos de 1 em cada 20 crianças em idade escolar de países de baixa renda têm conexão com a internet em casa, em comparação com quase 9 em cada 10 crianças em países de alta renda.

“Conectar as populações rurais continua sendo um desafio formidável”, disse o secretário-geral da ITU, Houlin Zhao. “Conforme mostrado pelo relatório da ITU Measuring digital development: Facts and Figures 2020 (Medindo o desenvolvimento digital: Fatos e Números de 2020), grandes partes das áreas rurais não são cobertas por uma rede de banda larga móvel e menos residências rurais têm acesso à internet. A lacuna na adoção da banda larga móvel e no uso da internet entre países desenvolvidos e em desenvolvimento é especialmente grande, colocando quase 1,3 bilhão de crianças em idade escolar, principalmente de países de baixa renda e regiões rurais, em risco de perder sua educação por falta de acesso à internet em casa “.

Também existem disparidades geográficas dentro dos países e entre as regiões. Globalmente, cerca de 60% das crianças em idade escolar nas áreas urbanas não têm acesso à internet em casa, em comparação com cerca de três quartos das crianças em idade escolar nas áreas rurais. Crianças em idade escolar na África ao sul do Saara e na Ásia Meridional são as mais afetadas, com cerca de 9 em cada 10 crianças desconectadas.

RegiãoCrianças de 3 a 17 anos sem acesso à internet em casa
África Ocidental e Central95% – 194 milhão
África Oriental e Meridional88% – 191 milhão
Ásia Meridional88% – 449 milhão
Oriente Médio e Norte da África75% – 89 milhão
América Latina e Caribe49% – 74 milhão
Europa Oriental e Ásia Central42% – 36 milhão
Leste da Ásia e Pacífico32% – 183 milhão
Global67% – 1,3 bilhão

No ano passado, o UNICEF e a ITU lançaram o Giga, uma iniciativa global para conectar todas as escolas e suas comunidades no entorno à internet. Trabalhando com governos, o Giga já mapeou mais de 800 mil escolas em 30 países. Com esses dados, o Giga trabalha com governos, indústria, setor civil e parceiros do setor privado para criar casos de investimento atraentes para financiamento público-privado combinado para construir a infraestrutura de conectividade necessária para implantar soluções de aprendizagem digital e outros serviços.

A iniciativa está agora colaborando no âmbito da iniciativa Reimagine a Educação e em coordenação com a Generation Unlimited. Por meio de sua iniciativa Reimagine a Educação, o UNICEF visa enfrentar a crise de aprendizagem e transformar a educação, dando às crianças, aos adolescentes e aos jovens o mesmo acesso à aprendizagem digital de qualidade. A chave para conseguir isso é a conectividade universal com a internet.

Com base nesses esforços e na importância do engajamento dos jovens, Generation Connect é uma iniciativa lançada pela ITU para capacitar os jovens para que se engajem e participem do mundo digital.

Embora os números do relatório do UNICEF-ITU apresentem um quadro alarmante, a situação provavelmente é pior devido a fatores de combinação, como acessibilidade, segurança e baixos níveis de habilidades digitais. De acordo com os dados mais recentes da ITU, as baixas habilidades digitais continuam a ser uma barreira para a participação significativa em uma sociedade digital, enquanto a telefonia móvel e o acesso à internet permanecem muito caros para muitos no mundo em desenvolvimento como resultado de grandes disparidades no poder de compra.

Mesmo quando crianças e adolescentes têm uma conexão em casa, eles podem não conseguir acessá-la por causa da pressão para fazer tarefas domésticas ou para trabalhar, falta de dispositivos suficientes nas residências, meninas tendo menos ou nenhum acesso à internet ou falta de compreensão de como acessar oportunidades online. Também existem questões relacionadas à segurança online, uma vez que pais, mães e responsáveis podem estar inadequadamente preparados para manter seus filhos e filhas seguros.

Reportagem e foto: Unicef

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Usiminas promove campanha de doação de sangue

O programa Voluntários Usiminas (VOU) está realizando uma campanha de doação de sangue em parceria com a Fundação São Francisco Xavier (FSFX),...

Seduc: Importante passo para quitação de débitos de APMs em São Vicente

A Secretaria de Educação de São Vicente (Seduc) deu um importante passo para a recuperação financeira de dezenas de escolas municipais, que...

Homem foi preso após agredir mãe e avô em São Vicente

Um homem foi preso após agredir a sua mãe e o avô com um banco de madeira em São Vicente.

Cientistas conclui 97,6% de eficácia em vacina russa SputniK V

Cientistas russos concluíram que a vacina Sputnik V contra a covid-19 tem eficácia de 97,6% no "mundo real", de acordo com uma...

Uso autorizado de coquetel emergencial em pacientes com covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso emergencial de um medicamento para pacientes com a covid-19. Antes desse remédio,...