quinta-feira, setembro 23, 2021
17.4 C
São Vicente
17.3 C
Santos
16.8 C
Peruíbe
17.4 C
Praia Grande
17.4 C
Itanhaém
17.8 C
Guarujá
17.1 C
Mongaguá
19.3 C
Bertioga

Brasil e Japão assinam acordo de cooperação em tecnologias para grafeno e nióbio

Leia mais

Queiroga diz estar preocupado com a saúde; não com repercussão de gesto obsceno

Nesta quarta-feira (22), O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, diagnosticado com Covid-19,  falou sobre a repercussão de sua reação a um protesto de...

Fiocruz desenvolve teste molecular para detectar hanseníase

Após décadas de pesquisas, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) desenvolveu o primeiro teste molecular para hanseníase, inédito no país. Trata-se do Kit...

ketchup: Heinz lança edição especial com rótulo “plantável”

A Heinz lança uma promoção que dará 300 embalagens de seu ketchup com rótulos plantáveis. Convidando o consumidor a plantar e cultivar...

Mutirão da catarata: Pacientes que perdem a visão após cirurgia; buscam por justiça

Em um mutirão realizado em julho de 2017, no Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Praia Grande, na baixada santista. Três idosos passaram...

Em cerimônia realizada no Palácio Itamaraty, em Brasília, nesta sexta-feira (8), Brasil e Japão assinaram o Memorando de Cooperação entre os Governos Brasileiro e Japonês no Campo de Tecnologias Relacionadas à Produção e ao Uso de Nióbio e Grafeno. O objetivo do documento bilateral é aprofundar o entendimento mútuo para explorar a cooperação na cadeia de valor de produtos que usam nióbio ou grafeno e propiciar uma cooperação mais estruturada no futuro, incluindo potenciais projetos conjuntos.

A iniciativa é resultado de tratativas iniciadas pelo presidente Jair Bolsonaro, que em 2019 manifestou interesse na cooperação ao então primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, durante o Fórum Econômico de Davos, e de reunião entre o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes e o embaixador do Japão no Brasil, Akira Yamada em 2019. Assinaram o memorando o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o ministro de Negócios Estrangeiros do Japão, Toshimitsu Motegi.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações substituto, Leonidas Medeiros representou o MCTI na cerimônia e assinou o documento com o Secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia (MME), Alexandre Vidigal de Oliveira.

“O acordo é fundamental porque o Japão é um país que tem alta tecnologia e nos une a ele na procura de explorar as capacidades do nióbio e do grafeno”, afirmou o secretário-executivo do MCTI. “Esses materiais são produtos do futuro, que vão alcançar toda a cadeia produtiva dos países, na parte industrial e no uso da tecnologia.”

Durante a cerimônia, foram firmados também acordos de cooperação entre os dois países nas áreas de biodiversidade, desenvolvimento de sensores e plataforma de agricultura de precisão em apoio à agricultura sustentável brasileira e uso tecnologias avançadas de radar de abertura sintética e uso de inteligência artificial para o combate ao desmatamento ilegal.

Minerais estratégicos e cooperação

Em outubro de 2016, Brasil e Japão assinaram Memorando de Cooperação para a Promoção de Investimentos e Cooperação Econômica no Setor de Infraestrutura. Desde então, os governos de ambos países vêm manifestando interesse mútuo em ampliar o investimento japonês no Brasil, incluindo os minerais raros ou estratégicos, como o grafeno e o nióbio.

Em julho de 2020, foi aberta chamada pública CNPq/MCTI para apoiar empreendimentos tecnológicos à base de grafeno, destinando aproximadamente R$ 1,5 milhão para apoiar propostas de pesquisa aplicada, desenvolvimento tecnológico e inovação que visem gerar empreendimentos e soluções de base tecnológica, tendo como principal objeto o grafeno.

Já o nióbio é considerado um mineral estratégico para o país. O Brasil é o maior produtor mundial desse material, responsável por aproximadamente 86% da produção, e tem o Japão como um dos principais importadores da liga ferronióbio (9,6% do exportado pelo Brasil). 
Atento à necessidade de apoio ao desenvolvimento das cadeias produtivas de minerais estratégicos, entre elas a do nióbio, o MCTI priorizou o tema na Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2016-2022 e no Plano de C,T&I para Minerais Estratégicos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Queiroga diz estar preocupado com a saúde; não com repercussão de gesto obsceno

Nesta quarta-feira (22), O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, diagnosticado com Covid-19,  falou sobre a repercussão de sua reação a um protesto de...

Fiocruz desenvolve teste molecular para detectar hanseníase

Após décadas de pesquisas, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) desenvolveu o primeiro teste molecular para hanseníase, inédito no país. Trata-se do Kit...

ketchup: Heinz lança edição especial com rótulo “plantável”

A Heinz lança uma promoção que dará 300 embalagens de seu ketchup com rótulos plantáveis. Convidando o consumidor a plantar e cultivar...

Mutirão da catarata: Pacientes que perdem a visão após cirurgia; buscam por justiça

Em um mutirão realizado em julho de 2017, no Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Praia Grande, na baixada santista. Três idosos passaram...

TJ-SP exigirá comprovante de vacinação contra a covid-19 para liberar acesso de entrada em Fóruns

A partir da próxima segunda-feira (27), o Tribunal de Justiça (TJ) passará a exigir o comprovante de vacinação contra a Covid para...