terça-feira, dezembro 7, 2021
23.3 C
São Vicente
24 C
Santos
20.6 C
Peruíbe
23.3 C
Praia Grande
23.3 C
Itanhaém
23.3 C
Guarujá
23.2 C
Mongaguá
23.3 C
Bertioga

Ex-candidata a prefeitura de Itanhaém, Cris Forssell é presa em Operação do Gaeco

Leia mais

São Vicente atinge 75% da população geral imunizada contra o covid-19

O público alvo da campanha, ou seja, pessoas acima de 12 anos, número salta para 90% dos vicentinos vacinados contra a Covid-19....

Cruzamento “da morte” no Jóquei em SV recebe lombadas

Diversos acidentes, inclusive fatais, vinham acontecendo com muita frequência no cruzamentos das ruas Galeão Coutinho e Dom Duarte da Costa, no bairro...

Jovem morre após corrida de 10 KM em Santos

No último domingo (5), um atleta amador passou mal durante uma corrida de 10 KM e morreu após receber atendimento médico, em...

Mila Moreira, atriz e modelo, morre aos 75 anos

Na madrugada desta segunda-feira (6), aos 75 anos, morre a atriz Mila Moreira. A informação foi confirmada pelo Hospital Copa Star, na Zona...

A ex-candidata à prefeitura de Itanhaém, no litoral paulista, Cris Forssell foi presa nesta terça-feira (2), em uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que ocorre em 19 cidades do estado. Segundo apurado pelo, ela é suspeita de envolvimento em um esquema fraudulento de empresas do setor de confecção de uniforme e de fornecimento de material escolar.

De acordo com o Ministério Público, equipes do Gaeco e do 2º Batalhão de Ações Especiais de Polícia (BAEP) trabalharam na operação, denominada ‘Dólos’, para cumprir 18 mandados de busca e apreensão e seis de prisão, em Itanhaém. Em Praia Grande, também são cumpridos dois mandados de busca e apreensão.

As investigações envolvem um esquema de fraude em licitações de empresas do setor de confecção de uniforme escolar e de fornecimento de material escolar. Os contratos ultrapassam R$ 40 milhões, segundo o MP.

O órgão chegou até a Baixada Santista após encontrar ligações entre empresas que eram investigadas em Orlândia, com empresas situadas em outros municípios do estado, sendo a maioria em Itanhaém, em nomes de laranjas.

Entre os nomes apontados como suspeita de envolvimento no esquema, estão o de Cris Forssel, que foi presa temporariamente, por volta de 6h, na casa dela, em Itanhaém. Ela foi encaminhada para a Delegacia Seccional de Itanhaém, onde aguarda para ser levada para a carceragem. Ela concorreu à prefeitura na última eleição e foi a segunda candidata mais votada para o cargo em 2020.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Além disso, o Gaeco cumpriu mandados de busca e apreensão na Prefeitura de Itanhaém e na casa do ex-prefeito, Marco Aurélio Gomes. Ele cumpriu dois mandados a frente da administração municipal, entre os anos 2013 e 2016, e 2017 e 2020.

Operação Dólos

Deflagrada nesta terça-feira, a operação Dólos teve origem após a Operação Loki no município de Orlândia, em setembro de 2019. Na ocasião, os suspeitos tentaram destruir objetos que seriam apreendidos na zona rural da cidade.

O material foi recuperado e a promotoria encontrou indícios de um cartel envolvendo empresas de Orlândia e Itanhaém (SP) nas licitações de fornecimento de uniformes e materiais escolares.

Um ex-prefeito da cidade no litoral paulista teria se beneficiado de vantagens indevidas provenientes da atuação do grupo, segundo a promotoria.

Segundo as investigações, o grupo utilizava-se de empresas em nome de funcionários ou familiares, considerados laranjas, mas que, na maioria das vezes, estavam fixadas no mesmo endereço. Em alguns casos, as empresas nem existiam.

No entanto, de acordo com o MP, parte da movimentação financeira do grupo circulava nas contas bancárias dessas empresas de fachada.

Os promotores também indicaram que algumas das empresas que venceram as licitações tinham prestação de serviço feita por uma terceirizada e, em alguns casos, as companhias pertenciam ao mesmo grupo empresarial.

O esquema

De acordo com o Gaeco, a apuração dos indícios demonstram que a abertura dessas empresas tinha cinco finalidades:

  • Participar de procedimento licitatório sem sanção administrativa de empresas do grupo
  • Blindagem e confusão patrimonial
  • Fornecimento de material de baixa qualidade sem patrimônio para averiguar eventual inadimplência
  • Sonegação fiscal
  • Ocultação dos verdadeiros responsáveis elas empresas

Com o objetivo de fraudar as licitações na Educação, o Ministério Público aponta que o grupo corrompia servidores públicos para inserirem cláusulas nos editais direcionando algumas empresas do cartel.

Outra forma de atuação era o grupo se ajustar com empresas de várias regiões de São Paulo para fracionar o objeto da licitação para que todos ganhassem parte do certame.

Com isso, segundo a promotoria, elas ajustavam o preço das propostas, deixam de competir e manipulavam a licitação.

Reportagem: G1 Santos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

São Vicente atinge 75% da população geral imunizada contra o covid-19

O público alvo da campanha, ou seja, pessoas acima de 12 anos, número salta para 90% dos vicentinos vacinados contra a Covid-19....

Cruzamento “da morte” no Jóquei em SV recebe lombadas

Diversos acidentes, inclusive fatais, vinham acontecendo com muita frequência no cruzamentos das ruas Galeão Coutinho e Dom Duarte da Costa, no bairro...

Jovem morre após corrida de 10 KM em Santos

No último domingo (5), um atleta amador passou mal durante uma corrida de 10 KM e morreu após receber atendimento médico, em...

Mila Moreira, atriz e modelo, morre aos 75 anos

Na madrugada desta segunda-feira (6), aos 75 anos, morre a atriz Mila Moreira. A informação foi confirmada pelo Hospital Copa Star, na Zona...

Corrida de cavalos e charretes assusta moradores de Praia Grande

Milhares de pessoas disputaram uma corrida com charretes ou circularam com cavalos nas vias de Praia Grande, na Baixada santista. Uma operação...