segunda-feira, setembro 27, 2021
27.9 C
São Vicente
27.5 C
Santos
24.9 C
Peruíbe
28 C
Praia Grande
27.6 C
Itanhaém
27.4 C
Guarujá
28.9 C
Mongaguá
28 C
Bertioga

Senado vota proposta que cria liderança da bancada feminina

Leia mais

AstraZeneca: Praia Grande suspende aplicação de 2ª dose do imunizante

Nesta segunda-feira (27), Praia Grande, na baixada santista, suspendeu temporariamente a aplicação da segunda dose da vacina de Oxford/AstraZeneca, após o imunizante...

Homem reage a assalto e persegue ladrão

Na tarde do último domingo (26), um homem reagiu a um assalto e saiu correndo atrás do criminoso em São Vicente, na...

Rap pagará multa de R$ 2,4 milhões à Justiça Federal por tráfico internacional de drogas

O narcotraficante André do Rap, foi condenado a pagar uma multa de mais de R$ 2,4 milhões à Justiça Federa, referente ao...

Porto de Santos: Receita localiza grande quantidade de munição em meio à carga importada

Na última quinta-feira (23), durante uma conferência em carga importada, a Receita Federal localizou grande quantidade de munição para armas de fogo...

Em reunião virtual com com a bancada feminina no Senado, o presidente da Casa, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), se comprometeu a colocar como primeiro item da pauta da sessão do plenário da próxima terça-feira (9) o Projeto de Resolução do Senado PRS 6/21 que trata da indicação de líder e vice-líder da bancada feminina.

“O papel da liderança é ter voz e vez na bancada. Não teremos voz, nem vez à altura da nossa representatividade (de tudo aquilo que nós representamos defendendo não só a mulher, mas a sociedade brasileira na sua pauta, pelo olhar e pela sensibilidade feminina) se nós não tivermos assento no Colégio de Líderes para falar, para reivindicar pauta, para deliberar o que entra e o que não entra na pauta [do plenário] e também nas comissões”, avaliou a senadora Simone Tebet (MDB-MS) que será indicada como primeira líder da nova bancada. A ideia é que haja revezamento semestral no cargo entre as 12 senadoras.

Para comemorar o mês da mulher, além do texto que garante o direito a uma liderança na Casa, as senadoras conseguiram apoio de Pacheco para convencer o colégio de líderes a votar outras três propostas sugeridas por elas no mês de março.

As pautas foram definidas por votação entre as parlamentares. Uma delas é a proposta que estabelece prisão de até quatro anos para a prática de perseguição obsessiva, também conhecida também como stalking. A perseguição obsessiva é uma prática reiterada, em que a vítima é ameaçada psicologicamente ou até fisicamente e tem sua liberdade de ir e vir restringida. O criminoso, que pode atuar também por meio da internet, perturba a liberdade ou invade a privacidade da vítima. O texto da senadora Leila Barros (PSB-DF), aprovado pelo Senado, foi modificado na Câmara em dezembro do ano passado e, por isso, precisará de nova análise dos senadores.

Os deputados aprovaram o substitutivo da deputada Sheridan (PSDB-RR), que aumentou a pena prevista no texto inicial e incluiu outras alterações de propostas apensadas ao original. Pelo texto aprovado, a pena será de um a quatro anos de reclusão e multa, mas poderá ser ainda maior se o crime for cometido contra mulheres por razões da condição do sexo feminino; contra crianças, adolescentes ou idosos; se os criminosos agirem em grupo; ou se houver uso de arma.

Relatorias

Segundo a senadora Rose de Freitas (Podemos-ES), na reunião com Pacheco as senadoras também reivindicaram ser indicadas para relatar no plenário da Casa projetos da área econômica e de agricultura, por exemplo: “Não queremos ficar somente com a relatoria de pautas que tem a ver com causas femininas. Nós entendemos de todos os assuntos”.

Procuradora

Ainda em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 março, no próximo dia 23 a senadora Leila toma posse como nova procuradora especial da Casa. A Procuradoria Especial da Mulher do Senado (ProMul) foi criada em 2013 pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para inserir o Senado de forma mais efetiva no debate sobre questões de gênero e na luta pela construção de uma sociedade em que mulheres e homens tenham os mesmos direitos. A intenção é atuar contra todas as formas de discriminação.

A tarefa da ProMul é a luta pela igualdade plena e o enfrentamento da violência contra as cidadãs, a garantia de seus direitos em favor do empoderamento da mulher, que será alcançado com a emancipação individual e a consciência coletiva necessária à superação da dependência social e da dominação política.

Para isso, a Procuradoria busca mecanismos legais e práticos, a fim de que a mulher tenha efetivo apoio em todas as situações de vulnerabilidade.

Fonte: Agencia Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

AstraZeneca: Praia Grande suspende aplicação de 2ª dose do imunizante

Nesta segunda-feira (27), Praia Grande, na baixada santista, suspendeu temporariamente a aplicação da segunda dose da vacina de Oxford/AstraZeneca, após o imunizante...

Homem reage a assalto e persegue ladrão

Na tarde do último domingo (26), um homem reagiu a um assalto e saiu correndo atrás do criminoso em São Vicente, na...

Rap pagará multa de R$ 2,4 milhões à Justiça Federal por tráfico internacional de drogas

O narcotraficante André do Rap, foi condenado a pagar uma multa de mais de R$ 2,4 milhões à Justiça Federa, referente ao...

Porto de Santos: Receita localiza grande quantidade de munição em meio à carga importada

Na última quinta-feira (23), durante uma conferência em carga importada, a Receita Federal localizou grande quantidade de munição para armas de fogo...

Doria anuncia volta de torcida aos estádios em SP a partir de outubro

Na última quinta-feira (23), o Governador João Doria anunciou, a liberação do acesso do público aos estádios nas partidas de futebol em...