quarta-feira, novembro 9, 2022
20.2 C
São Vicente
20.1 C
Santos
15 C
Peruíbe
20.1 C
Praia Grande
15.3 C
Itanhaém
17.3 C
Guarujá
15.9 C
Mongaguá
17 C
Bertioga

O que é o rendesivir ?

Leia mais

Fumar cotonete: nova moda entre jovens e crianças traz riscos à saúde

Um novo desafio do TikTok está preocupando os especialistas. Agora, uma nova tendência levanta riscos entre o público jovem: fumar cotonete. A...

Praia Grande abre processo seletivo para vagas de auxiliar de guarda-vidas temporário

Os interessados já podem se inscrever para o novo processo seletivo para as vagas remanescentes e temporárias de auxiliar de guarda-vidas, de...

PAT de Guarujá oferece 20 novas vagas de emprego

O Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Guarujá, na Baixada Santista, oferece 21 novas oportunidades de emprego. Há vagas para diversas...

Procon-SP alerta consumidores para a Black Friday

A Black Friday 2022, evento que promove descontos e ofertas, começa dia 25 de novembro no Brasil. O Procon-SP divulgou algumas recomendações...

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou ontem (12) a aprovação do rendesivir para tratamento da covid-19. Este é o primeiro remédio aprovado para uso contra o novo coronavírus. A autorização foi dada apenas para uso hospitalar e para pacientes com mais de 12 anos, com quadro de pneumonia e que precisam de oxigênio. Estudos com o fármaco mostraram recuperação mais rápida dos pacientes internados.

Com nome registrado de Veklury, o remédio é produzido pelo laboratório Gilead e é um antiviral desenvolvido para vírus como Ebola, mas que passou a ser considerado para o tratamento da covid-19.

Segundo a Anvisa, o remédio já foi autorizado por autoridades sanitárias em mais de 20 países, entre eles, Argentina, Estados Unidos, Índia, Israel, Japão, Rússia, Coreia do Sul e Canadá, além de ter recebido a permissão da agência europeia.  

Entre fevereiro e maio de 2020, foram realizados estudos clínicos (nas fases 1, 2 e 3) com 6.283 pacientes, entre homens e mulheres com infecção pelo novo coronavírus comprovada por exames laboratoriais. Os testes clínicos foram realizados em 10 países, não no Brasil.

No estudo, os participantes que receberam o remédio tiveram um tempo de recuperação menor, de dez dias, contra 15 dias daqueles que não receberam a substância. Os eventos adversos não foram maiores no grupo que recebeu o rendesivir do que entre os que não tiveram o remédio aplicado.

Segundo a Anvisa, os estudos demonstram que “o tratamento com rendesivir pode prevenir uma progressão da doença causada pelo coronavírus de 2019 (COVID-19) em adultos e adolescentes (com idade igual ou superior a 12 anos e com peso corporal de, pelo menos, 40 kg) com pneumonia que requerem administração suplementar de oxigênio (oxigênio de baixo ou alto fluxo, ou outra ventilação não invasiva no início do tratamento), como demonstrado nos estudos, através do menor tempo de recuperação no grupo rendesivir”.

O tratamento deve ser realizado por, pelo menos, cinco dias e não mais do que dez. Para obter êxito, o remédio deve ter aplicação inicial de 200g no primeiro dia e outras doses de 100 mg nos dias seguintes. A forma de aplicação é intravenosa.

Polêmica e OMS

Em novembro de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou uma recomendação contra o uso do rendesivir para o tratamento da covid-19. O comunicado foi emitido a partir da avaliação de que não havia evidências da eficácia do remédio no tratamento da doença.

A posição foi feita por um grupo internacional de desenvolvimento de diretrizes, com médicos e outros profissionais da saúde. O grupo analisou quatro estudos que envolveram o impacto do rendesivir em 7 mil pacientes.

Apesar da recomendação contrária da OMS, a Anvisa esclareceu que avaliou aspectos diferentes ao liberar o medicamento no Brasil. Além disso, a situação crítica da pandemia no país e o colapso do sistema de saúde em vários lugares contaram para a avaliação.

“O estudo da OMS avaliou mais a ocorrência de mortalidade e pacientes com perfil um pouco diferente dos avaliados nos outros estudos que consideramos para liberar o remédio. O estudo que consideramos válido focou na redução do tempo de hospitalização dos pacientes e vimos que houve uma redução na hospitalização”, disse a gerente de avaliação de segurança e eficácia da Anvisa, Renata Soares.

Fonte: Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Fumar cotonete: nova moda entre jovens e crianças traz riscos à saúde

Um novo desafio do TikTok está preocupando os especialistas. Agora, uma nova tendência levanta riscos entre o público jovem: fumar cotonete. A...

Praia Grande abre processo seletivo para vagas de auxiliar de guarda-vidas temporário

Os interessados já podem se inscrever para o novo processo seletivo para as vagas remanescentes e temporárias de auxiliar de guarda-vidas, de...

PAT de Guarujá oferece 20 novas vagas de emprego

O Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Guarujá, na Baixada Santista, oferece 21 novas oportunidades de emprego. Há vagas para diversas...

Procon-SP alerta consumidores para a Black Friday

A Black Friday 2022, evento que promove descontos e ofertas, começa dia 25 de novembro no Brasil. O Procon-SP divulgou algumas recomendações...

Destaque do carnaval paulista é achada morta em casa

Vítima de um infarto, um dos grandes nomes do carnaval paulista, a passista Michelle da Costa Chaga, conhecida como Michelle Mibow, de...