terça-feira, novembro 8, 2022
17.9 C
São Vicente
17.9 C
Santos
15.8 C
Peruíbe
17.9 C
Praia Grande
16.5 C
Itanhaém
19.5 C
Guarujá
17.5 C
Mongaguá
18.4 C
Bertioga

Anvisa confirma pedido para alterar bula da cloroquina

Leia mais

Mulher é covardemente agredida na praia, em Guarujá 

Uma mulher de 40 anos, foi espancada pelo próprio marido com chutes e socos, em uma praia do Guarujá, na baixada Santista....

Atacadista oferece mais de 600 vagas de emprego temporário

O Assaí Atacadista abre mais de 600 vagas temporárias. As oportunidades de atuação no período de festas representam uma possibilidade de renda...

PAT de Praia Grande oferece 28 novas vagas de emprego

O Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Praia Grande oferece 28 novas vagas de emprego, em diferentes cargos. Sendo 11 vagas exclusivamente para pessoas com...

Corpo é encontrado dentro de fogueira em Guarujá

Um corpo ainda não identificado foi encontrado em chamas em uma fogueira montada às margens da Rodovia Cônego Domênico Rangoni, em Guarujá,...

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, confirmou durante depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 nesta terça-feira (11) que houve um pedido para a alteração da bula da cloroquina.

O documento queria adicionar que o remédio, que tem ineficácia cientificamente comprovada contra a doença, fosse usado para tratamento contra o coronavírus Sars-CoV-2. Com isso, Torres confirmou a acusação que o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta contou aos senadores no dia 4 de maio.

“O documento foi comentado pela dra. Nise Yamaguchi, e eu tenho que dizer que tive uma reação até deselegante porque aquilo não poderia acontecer. Só quem pode modificar uma bula é a agência reguladora desde que seja solicitado pelo detentor da fórmula. […] Quando houve a proposta de fazer isso, me causou uma reação mais brusca”, pontuou Torres.

Explicando que uma alteração do tipo só pode ser feita após a farmacêutica apresentar um “grande dossiê” informando sobre novos usos, o presidente da Anvisa disse ainda que não sabe quem escreveu o texto.

“Não tenho a informação de quem criou o documento. A doutora [Yamaguchi] perguntou sobre a possibilidade e parecia estar mobilizada para esse sentido”, acrescentou.

Ao ser questionado sobre o que acha da eficácia da cloroquina, defendida abertamente pelo presidente Jair Bolsonaro, Torres quis ser técnico e disse que há um estudo em andamento no país até o dia 31 de dezembro deste ano. Mas, que estudos internacionais já demonstraram a ineficácia do medicamento.

Ao ser pressionado por Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI, sobre se usaria a droga, Torres disse que “não incluiria esse medicamento” e que seu “tratamento precoce é testagem e diagnóstico precoce”.

China e Índia
A oitiva começou com Calheiros fazendo perguntas sobre os atrasos do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) da China e questionando se as constantes críticas de Bolsonaro ao país asiático têm relação com esses problemas.

Torres afirmou que “não tenho informação sobre nexo causal” entre as falas e o atraso e que não há problemas com os produtos chineses na questão de qualidade.

“No mundo, hoje em dia, nós temos dois grandes países que detêm a primazia do IFA. Um deles é a Índia e o outro é a China. Por isso, acaba influenciando a produção de medicamentos no mundo. De fato, durante a pandemia, nós vimos atrasos de insumos. Observamos essas dificuldades, momentos em que o IFA demora um pouco mais a chegar”, acrescentou.

O presidente da Anvisa também falou sobre os processos que não deram as autorizações de uso emergencial para as vacinas Covaxin, da Bharat Biotech, e da Sputnik V, do Instituto Gamaleya de Pesquisa em Epidemiologia e Microbiologia.

Segundo Torres, a não aprovação no primeiro momento se deu por conta de problemas técnicos identificados na própria documentação enviada pelas duas empresas e que a Anvisa aguarda os documentos faltantes para dar andamento à aprovação.

Ressaltando por diversas vezes que não há questões ou pressões políticas para a aprovação dos imunizantes, Torres disse que não há “preciosismo” da agência, mas sim uma verificação correta e completa das vacinas. Além disso, conforme o diretor, a documentação é a mesma solicitada para todas as farmacêuticas e laboratórios que apresentam um pedido de uso emergencial.

fonte: Ansa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Mulher é covardemente agredida na praia, em Guarujá 

Uma mulher de 40 anos, foi espancada pelo próprio marido com chutes e socos, em uma praia do Guarujá, na baixada Santista....

Atacadista oferece mais de 600 vagas de emprego temporário

O Assaí Atacadista abre mais de 600 vagas temporárias. As oportunidades de atuação no período de festas representam uma possibilidade de renda...

PAT de Praia Grande oferece 28 novas vagas de emprego

O Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Praia Grande oferece 28 novas vagas de emprego, em diferentes cargos. Sendo 11 vagas exclusivamente para pessoas com...

Corpo é encontrado dentro de fogueira em Guarujá

Um corpo ainda não identificado foi encontrado em chamas em uma fogueira montada às margens da Rodovia Cônego Domênico Rangoni, em Guarujá,...

Novembro Roxo: ONG promove a causa da prematuridade na Baixada Santista

Esse é o mês internacional de sensibilização para a causa da prematuridade. No dia 17 de novembro, comemoramos...