sexta-feira, novembro 4, 2022
21.1 C
São Vicente
21.1 C
Santos
16.8 C
Peruíbe
21.1 C
Praia Grande
17.2 C
Itanhaém
21 C
Guarujá
20.9 C
Mongaguá
21.1 C
Bertioga

Justiça de SP decide que professores não podem ser convocados para aulas presenciais

Leia mais

Rebeca Andrade é campeã mundial de ginástica

Rebeca Andrade provou ser o maior nome da ginástica brasileira na atualidade, conquistando o título do individual geral do Mundial de Ginástica...

Polícia Civil e MP investigam desvios de verba da educação em Santos e São Vicente

A 1ª Delegacia de Investigações Gerais da (DEIC) de Santos, com o apoio de promotores de Justiça do Gaeco do Ministério Público...

Mãe de adolescente flagrado dirigindo carro em rodovia responderá por crime de trânsito

Um adolescente de 15 anos foi flagrado pela Polícia Militar Rodoviária dirigindo um carro pela rodovia Padre Manoel da Nóbrega (SP-055), na...

Criminosos se identificam como parente de moradora e tentam invadir apartamento 

Um casal se passou como parente de uma idosa para invadir um prédio, em Santos, na Baixada Santista, e tentaram arrombar a porta...

O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou nesta terça-feira (9) que professores e funcionários não poderão ser convocados para aulas presenciais em escolas públicas e privadas durante as fases laranja e vermelha do plano estadual de enfrentamento à pandemia. A decisão vale para todos os profissionais que são filiados aos seis sindicatos que ingressaram com a ação, a Apeoesp, CPP, Afuse, Apase, Fepesp e Udemo. Ainda cabe recurso ao governo do estado. A Secretaria Estadual de Educação disse ainda não ter sido notificada da decisão.

Segundo a juíza Simone Gomes Rodrigues Casoretti, da 9ª Vara da Fazenda Pública, o decreto do governador João Doria (PSDB), de dezembro, que classificou as escolas como serviços essenciais para que permanecessem abertas em qualquer momento da pandemia, não traz “motivação válida e científica”.

“Na fase mais aguda da pandemia, com número de mortes diárias ultrapassando o patamar de 1.000 e a incapacidade do sistema de saúde, o retorno presencial das aulas, ainda que com número reduzido e de forma opcional para os alunos, sem evidências científicas sobre o impacto na transmissão do covid, é medida contraditória e sem motivação válida.”

Segundo a magistrada, os critérios para manter as escolas abertas durante o período de pico de contaminações não levaram em consideração os números de novos casos, de novas internações e de óbitos.

Fonte: Folha Press

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Rebeca Andrade é campeã mundial de ginástica

Rebeca Andrade provou ser o maior nome da ginástica brasileira na atualidade, conquistando o título do individual geral do Mundial de Ginástica...

Polícia Civil e MP investigam desvios de verba da educação em Santos e São Vicente

A 1ª Delegacia de Investigações Gerais da (DEIC) de Santos, com o apoio de promotores de Justiça do Gaeco do Ministério Público...

Mãe de adolescente flagrado dirigindo carro em rodovia responderá por crime de trânsito

Um adolescente de 15 anos foi flagrado pela Polícia Militar Rodoviária dirigindo um carro pela rodovia Padre Manoel da Nóbrega (SP-055), na...

Criminosos se identificam como parente de moradora e tentam invadir apartamento 

Um casal se passou como parente de uma idosa para invadir um prédio, em Santos, na Baixada Santista, e tentaram arrombar a porta...

Menina morre afogada em caixa d’água improvisada de piscina em SV

Uma jovem de 15 anos morreu na tarde do último sábado (29)após se afogar em uma caixa d'água improvisada como piscina no...