quinta-feira, setembro 23, 2021
17.4 C
São Vicente
17.3 C
Santos
16.8 C
Peruíbe
17.4 C
Praia Grande
17.4 C
Itanhaém
17.8 C
Guarujá
17.1 C
Mongaguá
19.3 C
Bertioga

Efeitos da vacinação sobre casos só após abril, diz diretor do Butantan

Leia mais

Queiroga diz estar preocupado com a saúde; não com repercussão de gesto obsceno

Nesta quarta-feira (22), O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, diagnosticado com Covid-19,  falou sobre a repercussão de sua reação a um protesto de...

Fiocruz desenvolve teste molecular para detectar hanseníase

Após décadas de pesquisas, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) desenvolveu o primeiro teste molecular para hanseníase, inédito no país. Trata-se do Kit...

ketchup: Heinz lança edição especial com rótulo “plantável”

A Heinz lança uma promoção que dará 300 embalagens de seu ketchup com rótulos plantáveis. Convidando o consumidor a plantar e cultivar...

Mutirão da catarata: Pacientes que perdem a visão após cirurgia; buscam por justiça

Em um mutirão realizado em julho de 2017, no Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Praia Grande, na baixada santista. Três idosos passaram...

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou hoje que, “se a vacinação contra covid-19 no Brasil começar em janeiro, a queda no número de casos e de mortes pela doença só deve ser sentida em abril”.

“A partir de abril, começaremos a ver os efeitos da vacinação porque teremos em torno de 40 milhões de pessoas vacinadas”, disse ele. “Na medida que formos vacinando, vamos ver se a pandemia diminui, se os casos diminuem ou se vai existir a imunidade de rebanho”, disse ele, em evento no Centro Universitário Claretiano, em Batatais, no interior de São Paullo.

Dimas Covas afirmou que os efeitos da vacinação não são imediatos e que é preciso avançar na imunização de outros grupos, além dos prioritários: “São quase 100 milhões de doses só para pessoas idosas e profissionais de saúde. É uma faixa relativamente pequena. Temos que expandir para ver se a vacina tem eficiência”, afirmou.

O Instituto Butantan vai produzir no Brasil a vacina CoronaVac, desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

Mais cedo, o Ministério da Saúde informou que fechou acordo com o Butantan para distribuir com exclusividade as vacinas contra o novo coronavírus pelo SUS (Sistema Único de Saúde) para todos os estados, simultaneamente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Queiroga diz estar preocupado com a saúde; não com repercussão de gesto obsceno

Nesta quarta-feira (22), O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, diagnosticado com Covid-19,  falou sobre a repercussão de sua reação a um protesto de...

Fiocruz desenvolve teste molecular para detectar hanseníase

Após décadas de pesquisas, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) desenvolveu o primeiro teste molecular para hanseníase, inédito no país. Trata-se do Kit...

ketchup: Heinz lança edição especial com rótulo “plantável”

A Heinz lança uma promoção que dará 300 embalagens de seu ketchup com rótulos plantáveis. Convidando o consumidor a plantar e cultivar...

Mutirão da catarata: Pacientes que perdem a visão após cirurgia; buscam por justiça

Em um mutirão realizado em julho de 2017, no Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Praia Grande, na baixada santista. Três idosos passaram...

TJ-SP exigirá comprovante de vacinação contra a covid-19 para liberar acesso de entrada em Fóruns

A partir da próxima segunda-feira (27), o Tribunal de Justiça (TJ) passará a exigir o comprovante de vacinação contra a Covid para...