quarta-feira, outubro 27, 2021
23 C
São Vicente
22.9 C
Santos
21.4 C
Peruíbe
23 C
Praia Grande
22.8 C
Itanhaém
22.8 C
Guarujá
23.1 C
Mongaguá
23 C
Bertioga

Pesquisa aponta fechamento de 75 mil lojas em 2020

Leia mais

Polícia apreende mais de 50 kg de cocaína em galpão em Praia Grande

Na tarde da última terça-feira (26), a Polícia Civil apreendeu mais de 53 kg de cocaína em um galpão, em Praia Grande,...

Fidifest: 7ª edição será online e começa nesta terça-feira

A 7ª edição do Fidifest - Festival Internacional de Dança teve início nesta última terça-feira (26), e pela primeira vez a programação...

O que é febre maculosa? Doença matou um policial militar

A morte de um policial por febre maculosa, doença transmitida pelo carrapato-estrela, comuns em capivaras e cavalos, foi confirmada nesta terça-feira (26)....

São Vicente oferece cursos gratuitos

A Prefeitura de São Vicente, na Baixada Santista, disponibiliza 60 vagas para cursos de qualificação profissional de diferentes áreas. Os cursos são...

Um levantamento divulgado hoje (1º) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) aponta que 75 mil estabelecimentos comerciais com vínculos empregatícios fecharam as portas no Brasil em 2020, primeiro ano da pandemia da covid-19. Esse número é calculado a partir da diferença entre o total de abertura e de fechamento das lojas.

As micro e pequenas empresas responderam por 98,8% dos pontos comerciais fechados. Todas as unidades da federação registraram saldos negativos. Os estados mais impactados foram São Paulo (20,30 mil lojas), Minas Gerais (9,55 mil) e Rio de Janeiro (6,04 mil).

Essa retração anual do comércio é a maior registrada desde 2016, quando 105,3 mil lojas saíram de cena devido à recessão econômica do período. Apesar do alto número de estabelecimentos que fecharam suas portas no ano passado, as vendas no varejo tiveram queda de apenas 1,5%. Esse percentual, segundo a CNC, foi menor do que o esperado para um momento crítico.

De acordo com a entidade, as perdas foram sentidas já em março, mas o mercado começou a mostrar uma reação a partir de maio, afastando expectativas mais pessimistas. O fortalecimento do comércio eletrônico e o benefício do auxílio emergencial, permitindo que a população mantivesse algum nível de consumo, foram listados como fatores que contribuíram para o reaquecimento do comércio.

“Na primeira metade do ano, quando o índice de isolamento social chegou a atingir 47% da população, as vendas recuaram 6,1% em relação a dezembro de 2019. Na segunda metade do ano, quando se iniciou o processo de reabertura da economia e foram registrados os menores índices de isolamento desde o início da crise sanitária, as vendas reagiram, avançando 17,4%”, diz o estudo.

O levantamento aponta, no entanto, que a população ainda manifesta algum grau de dependência do consumo presencial, o que traz desafios para 2021. A imprecisão dos prognósticos envolvendo a evolução da campanha de vacinação também gera incertezas.

Projeções

A CNC avaliou ainda as perspectivas para o setor. “A inflexão no processo de abertura líquida de lojas com vínculos empregatícios, observado até 2019, não significa necessariamente uma nova tendência de atrofia no mercado de trabalho do varejo para os próximos anos”, registra. O estudo, porém, observa que há menor capacidade de geração de vagas por meio do comércio eletrônico, cujas vendas cresceram 37% em 2020.

Ao estabelecer projeções para 2021, foram traçados três cenários conforme o nível de isolamento social da população. Em um deles, a entidade calcula que as vendas avançariam 5,9% na comparação com o ano anterior e o comércio seria capaz de reabrir 16,7 mil novos estabelecimentos. Para que isso ocorra, o índice de isolamento social precisa sofrer redução de 5% até o fim do ano.

Um cenário mais otimista, no qual sejam restabelecidas as condições pré-pandemia, o volume de vendas cresceria 8,7% e 29,8 mil lojas seriam abertas ao longo deste ano. Já o quadro mais pessimista, com a população se mantendo confinada em níveis apenas ligeiramente inferiores aos observados em dezembro de 2020, somente 9,1 mil estabelecimentos abririam as portas.

Nível de ocupação

A crise decorrente da pandemia também afetou o nível de ocupação no comércio: 25,7 mil vagas formais foram perdidas em 2020. O último ano onde houve queda nesse quesito foi em 2016, quando foi registrada retração de 176,1 mil postos de trabalho.

Conforme o levantamento, considerando o nível de ocupação, o ramo mais afetado foi o de vestuário, calçados e acessórios, com a queda de 22,29 mil vagas. Na sequência, aparecem os hiper, super e minimercados (14,38 mil) e lojas de utilidades domésticas e eletroeletrônicos (13,31 mil).

No entanto, o saldo negativo de 2020 não reverteu a quantidade de vagas geradas entre 2017 e 2019. Nesse período, o número de postos criados foi de 220,1 mil.

Fonte: Agencia Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Polícia apreende mais de 50 kg de cocaína em galpão em Praia Grande

Na tarde da última terça-feira (26), a Polícia Civil apreendeu mais de 53 kg de cocaína em um galpão, em Praia Grande,...

Fidifest: 7ª edição será online e começa nesta terça-feira

A 7ª edição do Fidifest - Festival Internacional de Dança teve início nesta última terça-feira (26), e pela primeira vez a programação...

O que é febre maculosa? Doença matou um policial militar

A morte de um policial por febre maculosa, doença transmitida pelo carrapato-estrela, comuns em capivaras e cavalos, foi confirmada nesta terça-feira (26)....

São Vicente oferece cursos gratuitos

A Prefeitura de São Vicente, na Baixada Santista, disponibiliza 60 vagas para cursos de qualificação profissional de diferentes áreas. Os cursos são...

Vereadores de São Vicente aprovam redutor de IPTU e desconto de 5% em cota única

Na terça-feira dia 26, um pedido de urgência na pautação do reajuste do IPTU, causou desconforto para os 15 vereadores da cidade...