domingo, agosto 14, 2022
20 C
São Vicente
20 C
Santos
19.7 C
Peruíbe
20 C
Praia Grande
19.8 C
Itanhaém
22.7 C
Guarujá
22.6 C
Mongaguá
20 C
Bertioga

Novas restrições é defendida por infectologistas para conter avanço da Covid

Leia mais

Dupla de ladrões roubam loja de celular no centro e causam terror em SV

Na noite de hoje, aparentemente, os dois ladrões que roubaram uma padaria no Bitaru, atacaram hoje uma loja de celulares localizada...

Cadastro de bons motoristas começa a valer em setembro no país

O Registro Nacional Positivo de Condutores (RNPC), também conhecido como cadastro de bons motoristas, começa a valer em setembro. O...

Santos oferece 124 vagas para rede brasileira de restaurantes

O Centro Público de Emprego e Trabalho (CPET) de Santos, oferece 124 vagas de emprego em uma rede brasileira de restaurantes. As...

Homem é flagrado furtando bateria de carro em Santos

Um homem foi flagrado furtando a bateria de um carro, em Santos. A ação foi registrada por uma câmera de segurança, na...

Para Elisabeth Dotti, a falta de cuidado da população com os protocolos sanitários e distanciamento social colaboraram para que o governador João Doria tivesse que tomar medidas ainda mais restritivas em território paulista.

“Chegamos a absurda, infeliz e tristíssima marca de 100 brasileiros morrendo por hora, somos responsáveis por 10% das mortes por Covid-19 no mundo. Isso é fruto de uma política de Saúde desorganizada, da falta de vacina e, principalmente, se a gente tivesse uma população esclarecida, mantendo distanciamento, saindo para as coisas estritamente necessárias e colaborando seguindo os protocolos sanitários, não estaríamos na situação que a gente está. Não estaríamos com os comércios fechados e as pessoas morrendo, além da falta de leitos para as pessoas que estão com a doença. Não teríamos essa pandemia econômica e pandemia de Saúde”, disse Elisabeth.

Outro infectologista, o médico Marcos Caseiro, destacou que as medidas mais duras se fazem necessárias para tentar conter a curva de contágio do novo coronavírus e falou que espera um mês de março com muitas mortes pela doença.

“A minha expectativa para esses próximos dias, infelizmente, é a pior possível. Acho que teremos os piores dias da história do nosso país, em termos de saúde pública. Ontem tivemos quase 2.400 mortes, isso é um dado absurdamente grave. No entanto, o que é mais grave é a total desconsideração da informação pela população. Já atingimos a marca de 100 brasileiros morrendo por hora. Isso é gravíssimo, teremos um março tenebroso. Tivemos um aumento na nossa região nos próximos dias e a situação ainda vai piorar. As nossas UTIs já estão no limite e isso vai piorar de maneira importantíssima, vocês vão ver isso nos próximos dias”, afirmou Caseiro.

Para os dois especialistas, existem apenas duas maneiras de combater a pandemia, nesse momento, no Brasil: isolamento social e vacinação em massa.

“A imunidade coletiva funcionaria desde que chegássemos a 70% da população vacinada, não chegamos ainda a 10 milhões de vacinados. Estamos muito longe dessa imunidade coletiva, que só deve chegar quando tivermos cerca de 70% da população vacinada. Não tem falha de vacinação, nós sabemos fazer vacinação muito bem, somos um dos maiores países do mundo em capacidade de vacinação. O que acontece é que nós ‘comemos bola’ lá atrás. Nós não temos vacina. Falhamos na hora de comprar as vacinas, quando deveríamos ter comprado. Aliado a isso, os dados mostram uma situação caótica, as pessoas pensavam que (a pandemia) tinha passado, que o problema tinha sido resolvido. Temos um enorme contingente populacional que não se infectou e agora essas pessoas estão sendo acometidas pela doença, ela pode reinfectar pessoas que já tinham tido Covid pela cepa anterior”, destacou Marcos Caseiro.

Elisabeth Dotti também defendeu a necessidade de uma vacinação rápida para desaceleração do vírus. “Estamos caminhando a passos largos para um colapso total do sistema de Saúde, alguns estados estão entrando em fases complicadíssimas, ficando sem leitos de UTI e internações em enfermaria. O governo está indo atrás de hospital de campanha. Agora é o pior cenário que já vivemos da pandemia. A vacinação é sempre muito boa, bem-vinda, mas vacinamos só 4% da população. Essa deveria ser a medida mais importante, mas temos uma quantidade muito baixa de pessoas vacinadas, isso é muito pouco para brecar o impacto que essas novas cepas impões na velocidade de transmissão do novo coronavírus”, comentou.

Brasil é epicentro da pandemia
Exatamente um ano após a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarar a existência da pandemia do novo coronavírus, o Brasil atualmente apresenta os piores números diários da Covid-19.

O país contabiliza uma média de 70 mil novos casos da doença por dia.

Superando até mesmo os Estados Unidos, o Brasil registra uma média móvel semanal de 1.626 mortes, de acordo com informações do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). Na quarta (10), o país apresentou a impressionante marca de 2.349 óbitos por Covid em 24 horas.

“Hoje praticamente 30, 40% de todos os casos do mundo estão aqui no Brasil. Somos o epicentro da pandemia, vergonhosamente. Certamente a nossa incapacidade de ter feito o isolamento social adequado, associada a circulação dessas cepas novas, foi o cenário ideal para esse aumento de casos. Foi o que aconteceu em Manaus, quando tínhamos dados de imunidade de rebanho de 70% e veja o que aconteceu. Veja o que aconteceu quando essas cepas chegaram em Araraquara, Jaú, Bauru, é uma confluência de fatores, uma parada total dos cuidados de isolamento respiratório, associada a circulação dessas cepas. Essas são as explicações para o que estamos vivendo atualmente”, analisou Caseiro.

Para Elisabeth, não adianta apenas culpar os políticos, chegou a hora de a população fazer a sua parte para evitar que os números fiquem ainda piores. “Sempre importante a gente colocar que no ano passado todos pedimos use máscara, mantenha o distanciamento, não judie da população que quer trabalhar. Além do ponto de vista da saúde, você está prejudicando o comerciante que está precisando trabalhar. A gente entra numa fase emergencial por causa do cara que quer fazer festa, bagunça e diz que isso não é nada, que pode aglomerar, passear, e está todo mundo penando por causa disso. Tivemos Natal, Ano Novo, carnaval, eleições, várias situações que não foram bem desenvolvidas e hoje estamos colhendo esse triste resultado. Por isso, acho importante que se coloque as posições de todos os envolvidos. Não é só a política, é o ser humano, o cidadão, o cara que negligenciou todas as orientações sanitárias e hoje estamos colhendo os frutos do descaso da população com essa doença. Está cheio de baile clandestino por aí, festa na lancha, quer dizer, não é um problema de classe social, é um problema de consciência das pessoas. A gente tem um pensamento muito triste e empobrecido de quem não entendeu que essa doença mata e, ainda por cima, não permite a gente fazer velório e enterrar dignamente os nossos mortos”, concluiu a médica infectologista.

Fonte: Santa Portal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Dupla de ladrões roubam loja de celular no centro e causam terror em SV

Na noite de hoje, aparentemente, os dois ladrões que roubaram uma padaria no Bitaru, atacaram hoje uma loja de celulares localizada...

Cadastro de bons motoristas começa a valer em setembro no país

O Registro Nacional Positivo de Condutores (RNPC), também conhecido como cadastro de bons motoristas, começa a valer em setembro. O...

Santos oferece 124 vagas para rede brasileira de restaurantes

O Centro Público de Emprego e Trabalho (CPET) de Santos, oferece 124 vagas de emprego em uma rede brasileira de restaurantes. As...

Homem é flagrado furtando bateria de carro em Santos

Um homem foi flagrado furtando a bateria de um carro, em Santos. A ação foi registrada por uma câmera de segurança, na...

Criminoso são flagrados enterrando drogas na areia da praia de Santos

Uma câmera de monitoramento do Centro de Controle Operacional (CCO) de Santos, flagrou três criminosos enterrando maconha e cocaína na areia da...