sexta-feira, maio 27, 2022
23.3 C
São Vicente
23.3 C
Santos
19.3 C
Peruíbe
23.3 C
Praia Grande
20.6 C
Itanhaém
23.3 C
Guarujá
23.1 C
Mongaguá
23.3 C
Bertioga

Senadores destacam número insuficiente de vacinas

Leia mais

Projeto ‘É Hora de Arte’ retorna em Praia Grande 

O projeto É Hora de Arte retorna para a Baixada Santista, com oficinas gratuitas de teatro, dança, circo e grafite para crianças de 7...

Motorista de aplicativo tenta dopá jovem durante corrida em Santos

Uma jovem alega que um motorista de aplicativo em Santos, na Baixada Santista, tentou dopá-la durante uma corrida. A vítima conta que,...

A partir de julho os quiosques do Gonzaguinha serão transferidos para o Itararé em São Vicente, SP 

Os quiosques da praia do Gonzaguinha serão transferidos para unidades da Praia do Itararé em São Vicente, na Baixada Santista. A medida foi...

Polícia localiza barraco do crime em Santos

A Polícia Civil em Santos, na Baixada Santista, localizou um barraco usado para preparo e estoque de drogas. Além das drogas, anotações...

Nesta terça-feira (23), o Senado ouviu os representantes de laboratórios desenvolvedores de vacinas contra covid-19 ou de parceiros brasileiros dessas empresas. Foram ouvidos diretores da Pfizer, da Janssen, da Bharat Biotec, da Precisa, da Sputnik V e da Fiocruz. Os senadores ficaram preocupados com o que ouviram, pois, segundo estes diretores, muitas vacinas encomendadas pelo governo brasileiro não devem chegar no primeiro semestre.

“Essa audiência comprovou aquilo que já suspeitávamos e temíamos: não teremos vacinas suficientes e a tempo para acabar com essa carnificina. Estamos vivendo momentos dos mais difíceis, tenebrosos. Não temos leitos, não temos UTI, não temos oxigênio, não temos insumo. Está faltando caixão”, disse Simone Tebet (MDB-MS).

Tasso Jereissati (PSDB-CE) também lamentou a falta de uma entrega substancial de vacinas neste momento, em que o Brasil registra dezenas de milhares novos casos por dia, além de mais de 3 mil mortes nas últimas 24 horas. “Cheguei nessa reunião na expectativa de ver uma luz no fim do túnel, mas estou saindo muito desanimado”.

Previsão

Durante a audiência, os representantes dos laboratórios expuseram a estimativa de entrega das vacinas ao Ministério da Saúde. A Pfizer estima entregar 100 milhões de doses até setembro. A Janssen, com quem o governo brasileiro também manifestou intenção de compra de vacinas, prevê a entrega até o final do ano, sem data específica.

A Fiocruz, que também participou da reunião, apresentou o seu cronograma. São 100,4 milhões de doses até julho, com 3,9 milhões entregues em março, 18,8 milhões de doses em abril e 21,5 milhões em maio. Mais 34,2 milhões de doses devem chegar em junho e 21,9 milhões em julho. No segundo semestre, com a produção nacional de insumos, estão previstas 110 milhões de doses. 

A Precisa, parceira da indiana Bharat Biotech, pretende entregar 20 milhões de doses em quatro lotes diferentes. “Seguindo o que está em contrato, entre o fim de março e início de abril as primeiras 8 milhões de doses chegam”, disse Emanuela Medrades, diretora técnica da Precisa. Ela explicou, porém, que o embarque das doses depende de autorização do governo indiano.

Pedir vacinas

Kátia Abreu (PP-TO) disse que a situação é extremamente preocupante  e sugeriu pedir vacinas ociosas de outros países. “A única solução que eu vejo é nós irmos atrás do estoque de vacinas que existem no mundo. Temos que apelar para os EUA e a China, que são os maiores produtores e nossos maiores parceiros, não só comerciais, mas de cooperação. Saberemos ser gratos e leais aos países que ajudaram o Brasil”, disse a senadora. 

Na semana passada, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, pediu aos Estados Unidos a doação de vacinas estocadas e sem previsão de uso naquele país .

Solução

Em resposta às críticas pela oferta insuficiente de vacinas, o diretor de assuntos governamentais da Janssen, Ronaldo Pires, afirmou que as empresas do mercado de vacinas devem ser vistas como uma solução, não como parte do problema. Ele afirmou que a Janssen fará parcerias com laboratórios concorrentes para transferir a tecnologia e aumentar a produção para atender a demanda, mas afirmou que não é possível garantir uma antecipação da entrega.

Segundo Pires, o mercado de vacinas em todo o mundo tem trabalhado a todo vapor para atender a demanda. “As empresas estão fazendo em sete meses o que fariam em sete anos. Não é por falta de compromisso e esforço. Estamos em uma circunstância jamais pensada pela cadeia de produção. Temos desafios logísticos, de armazenagem, de produção de insumos, de seringas”.

Fonte: Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas notícias

Projeto ‘É Hora de Arte’ retorna em Praia Grande 

O projeto É Hora de Arte retorna para a Baixada Santista, com oficinas gratuitas de teatro, dança, circo e grafite para crianças de 7...

Motorista de aplicativo tenta dopá jovem durante corrida em Santos

Uma jovem alega que um motorista de aplicativo em Santos, na Baixada Santista, tentou dopá-la durante uma corrida. A vítima conta que,...

A partir de julho os quiosques do Gonzaguinha serão transferidos para o Itararé em São Vicente, SP 

Os quiosques da praia do Gonzaguinha serão transferidos para unidades da Praia do Itararé em São Vicente, na Baixada Santista. A medida foi...

Polícia localiza barraco do crime em Santos

A Polícia Civil em Santos, na Baixada Santista, localizou um barraco usado para preparo e estoque de drogas. Além das drogas, anotações...

26 de maio, Dia de Concientização Nacional do Glaucoma

Com o objetivo de conscientizar as pessoas sobre a doença que é a segunda maior causa de cegueira irreversível no mundo -...